1

Porque todo o sumo sacerdote, tomado dentre os homens, é constituído a favor dos homens nas coisas concernentes a Deus, para que ofereça dons e sacrifícios pelos pecados;

2

E possa compadecer-se ternamente dos ignorantes e errados; pois também ele mesmo está rodeado de fraqueza.

3

E por esta causa deve ele, tanto pelo povo, como também por si mesmo, fazer oferta pelos pecados.

4

E ninguém toma para si esta honra, senão o que é chamado por Deus, como Arão.

5

Assim também Cristo não se glorificou a si mesmo, para se fazer sumo sacerdote, mas aquele que lhe disse: Tu és meu Filho,Hoje te gerei.

6

Como também diz, noutro lugar: Tu és sacerdote eternamente, Segundo a ordem de Melquisedeque.

7

O qual, nos dias da sua carne, oferecendo, com grande clamor e lágrimas, orações e súplicas ao que o podia livrar da morte, foi ouvido quanto ao que temia.

8

Ainda que era Filho, aprendeu a obediência, por aquilo que padeceu.

9

E, sendo ele consumado, veio a ser a causa da eterna salvação para todos os que lhe obedecem;

10

Chamado por Deus sumo sacerdote, segundo a ordem de Melquisedeque.

11

Do qual muito temos que dizer, de difícil interpretação; porquanto vos fizestes negligentes para ouvir.

12

Porque, devendo já ser mestres pelo tempo, ainda necessitais de que se vos torne a ensinar quais sejam os primeiros rudimentos das palavras de Deus; e vos haveis feito tais que necessitais de leite, e não de sólido mantimento.

13

Porque qualquer que ainda se alimenta de leite não está experimentado na palavra da justiça, porque é menino.

14

Mas o mantimento sólido é para os perfeitos, os quais, em razão do costume, têm os sentidos exercitados para discernir tanto o bem como o mal.