1

Então Bildade, de Suá, respondeu:

2

"Quando você vai parar de falar? Proceda com sensatez, e depois poderemos conversar.

3

Por que somos considerados como animais, e somos ignorantes aos seus olhos?

4

Ah você, que se dilacera de ira! Deve-se abandonar a terra por sua causa? Ou devem as rochas mudar de lugar?

5

"A lâmpada do ímpio se apaga, e a chama do seu fogo se extingue.

6

Na sua tenda a luz se escurece; a lâmpada de sua vida se apaga.

7

O vigor dos seus passos se enfraquece, e os seus próprios planos lançam por terra.

8

Por seus próprios pés você se prende na rede, e se perde na sua malha.

9

A armadilha o pega pelo calcanhar; o laço o prende firme.

10

O nó corredio está escondido na terra para pegá-lo, há uma armadilha em seu caminho.

11

Terrores de todos os lados o assustam e o perseguem em todos os seus passos.

12

A calamidade tem fome para alcançá-la, e a desgraça está à espera de sua queda.

13

Ela consome partes da sua pele; o primogênito da morte devora os membros do seu corpo.

14

Ele é arrancado da segurança de sua tenda, e o levam à força ao rei dos terrores.

15

O fogo mora na tenda dele; espalham enxofre ardente sobre a sua habitação.

16

Suas raízes secam-se embaixo, e seus ramos murcham em cima.

17

Sua lembrança desaparece da terra, e nome não tem, em parte alguma.

18

É lançado da luz para as trevas; é banido do mundo.

19

Não tem filhos nem descendentes entre o seu povo, nem lhe restou sobrevivente algum nos lugares onde antes vivia.

20

Os homens do ocidente assustam-se com a sua ruína, e os do oriente enchem-se de pavor.

21

É assim a habitação do perverso; essa é a situação de quem não conhece a Deus".