1

O Espírito do Senhor falou por mim,a sua palavra estava na minha boca.

2

Disse-me assim a rocha de Israel: 'Há-de vir um que governará com toda a justiça,que administrará no temor de Deus.

3

Será como a luz da manhã, como uma esplêndida alvorada,quando a tenra erva brota do solo;sob o calor do Sol, depois da chuva.'

4

E foi igualmente a minha família que ele escolheu! Sim, Deus estabeleceu uma aliança eterna comigo;está selado com o seu acordo eterno. Ele constantemente olhará pela minha segurança e pelo meu sucesso.

5

Mas os ímpios são como espinhos que se lançam para longe;rasgam a mão de quem lhes pega.

6

Tem de se estar protegido para os apanhar, e para serem lançados no fogo.

7

São os seguintes os nomes dos três homens mais valentes que David teve - os mais heróicos soldados do seu exército: O primeiro foi Josebe-Bassebete, de Taquemoni, também conhecido por Adino, o eznita; certa vez matou oitocentos homens numa só batalha.

8

Depois é Eleazar, o filho de Dodo e neto de Aió. Foi um dos três homens que, com David, enfrentaram os filisteus naquela vez em que o exército de Israel fugiu. Matou filisteus, até que a sua mão, de cansada, já lhe doía ao segurar a espada; o Senhor deu-lhe uma grande vitória. Aliás o resto do exército só voltou na altura de recolher o despojo!

9

A seguir vem Samá, filho de Agé, de Harar. Uma vez, no decorrer dum ataque dos filisteus, quando todos os seus homens o tinham deixado só e fugido, ficou sozinho no centro dum campo de lentilhas e conseguiu pôr em debandada os filisteus. Também a este Deus deu uma grande vitória.

10

Um dia, em que David vivia na caverna de Adulão e os invasores filisteus estavam no vale de Refaim, três dos trinta oficiais comandantes do exército israelita desceram no tempo da sega para o visitar. David encontrava-se bem coberto militarmente; os guerrilheiros filisteus tinham ocupado as proximidades da cidade de Belém; e emitiu um anelo: Como estou sequioso de beber um pouco da boa água do poço da cidade! Tratava-se do poço que está próximo da entrada da povoação. Então os três homens irromperam através das guarnições dos filisteus, foram tirar água e trouxeram-na a David. Este contudo recusou bebê-la! Em vez disso, derramou-a perante o Senhor.

11

Não, meu Deus!, exclamou ele. Não posso fazer tal coisa! Esta água representa sangue destes homens, que assim arriscaram as suas vidas!

12

Para além daqueles três primeiros homens, Abisai o irmão de Joabe, filho de Zeruía, foi também muito afamado. Certa vez, só com a sua lança, matou trezentos soldados inimigos. Foi por tais feitos que ele ganhou reputação semelhante à daqueles três homens, ainda que não fosse igual a eles. Mas entre o corpo dos trinta comandantes, ele era o chefe.

13

Havia também Benaia, filho de Jeoiada, um heróico soldado de Cabzeel. Benaia matou dois gigantes, filhos de Ariel de Moabe. Noutra altura, entrou numa gruta e a despeito do chão estar muito escorregadio por causa da neve gelada, pegou num leão que ali se tinha abrigado e matou-o. Noutra ocasião ainda, tendo na mão unicamente um cajado, matou um soldado egípcio armado com uma lança; conseguiu arrancar-lhe a lança e com ela matou o egípcio. Estes foram alguns dos feitos que deram a Benaia quase tanta fama como a dos três primeiros. Era um dos maiores entre os trinta comandantes, mas não era, efectivamente, igual àqueles três. David fê-lo chefe da sua guarda pessoal.