1

Paulo, prisioneiro por pregar o evangelho de Jesus Cristo, e o irmão Timóteo dirigimos esta carta a Filémon, nosso muito querido colaborador no serviço de Deus, assim como a Ápia, nossa irmã na fé em Deus, e a Arquipo, nosso companheiro na luta, assim como à igreja que se reúne na sua casa.

2

A todos enviamos o nosso desejo de que a graça e a paz vos sejam dadas da parte de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo.

3

Continuo sempre a dizer a Deus o meu agradecimento e a orar por ti, porque ouço falar da fé que tens no Senhor Jesus Cristo e do amor que tens para com ele e para com todo o povo de Deus.?

4

O meu pedido a Deus é que essa tua fé se comunique aos outros, para que possas ter um conhecimento pleno de tudo de bom que temos em Cristo

5

Tive muita alegria e fui muito encorajado em saber que o teu amor cristão é posto em prática, e como por teu intermédio, meu irmão, o coração de muitos crentes tem sido alegrado.

6

Por isso me sinto levado a pedir-te um favor, ainda que, estando ao serviço de Cristo, teria autoridade para te ordenar aquilo que é mais conveniente.

7

Mas prefiro falar-te nisso como um pedido, pois que penso nos laços de verdadeira afeição cristã que nos unem. Lembra-te que sou o velho Paulo, que agora até está preso por ser um embaixador de Jesus Cristo.

8

Queria pedir-te por meu filho espiritual Onésimo, a quem levei a nascer de novo para Cristo na minha prisão.

9

É verdade que noutro tempo a sua vida te foi inútil. Mas agora vai tornar-se, tanto para ti como para mim, muito útil.

10

Por isso to tornei a enviar, e peço que o recebas como se fosse eu mesmo em pessoa.

11

Aliás bem gostaria de o conservar comigo, para que me ajudasse, em teu lugar, enquanto me encontro assim preso por causa do evangelho.?

12

Mas não quis tomar essa decisão sem o teu parecer; se realmente quiseres fazer-me esse benefício, que não seja como forçado a isso, mas voluntariamente.

13

Também pode ser que, apesar de ele te ter fugido, durante algum tempo, agora tu o recuperes, mas definitivamente,

14

não já como escravo, mas muito mais como um irmão na fé em Deus, a quem eu em especial muito quero, mas a quem tu também ainda mais te afeiçoarás, visto que torna a ficar ligado à tua casa como trabalhador, e como um irmão no Senhor.

15

Assim pois, se me consideras como teu companheiro, recebe-o como se fosse eu mesmo.

16

E se te causou algum prejuízo ou te deve alguma coisa, põe isso à minha conta.

17

Eu, Paulo, escrevo isto com a minha mão: eu o pagarei. Mas olha que no fundo tu mesmo me deves aquilo que és espiritualmente.

18

Sim, irmão, o teu gesto dar-me-á muita alegria, e ficarei muito animado por aquilo que o Senhor te inspirar

19

Aliás, ao escrever-te estou convencido de que farás o que te digo e até mesmo mais.

20

Queria ao mesmo tempo pedir-te que me preparasses aí alojamento, porque espero, em resposta às vossas orações, poder ir visitar-vos.

21

Daqui mandam-te cumprimentos Epafras, que também está preso comigo por causa de Cristo Jesus, e ainda Marcos, Aristarco, Demas e Lucas, todos meus colaboradores.

22

Peço a nosso Senhor Jesus Cristo que a sua graça esteja com o vosso espírito.