1

Por sua vez Jacob, com todos os seus, também partiu para continuar a viagem. Os anjos de Deus vieram-lhe ao encontro. Quando os viu, Jacob exclamou: Isto aqui é mesmo uma terra de Deus! Por isso chamou àquele sítio Maanaim.

2

Jacob decidiu enviar mensageiros à frente ter com Esaú, o seu irmão, a Edom, na terra de Seir, com esta mensagem: Saudações de Jacob. Tenho estado a viver com o nosso tio Labão até há pouco tempo, e agora tenho muitos animais - bois, jumentos, ovelhas - e muita criadagem, tanto homens como mulheres. Envio-te estes mensageiros para te informar da minha vinda, esperando poder contar com a tua amizade.

3

Os mensageiros voltaram com a notícia de que Esaú estava a caminho para se encontrar com Jacob, acompanhado dum exército de quatrocentos homens!

4

Jacob ficou cheio de medo e angustiado. Assim, repartiu a gente toda que vinha consigo, tal como os rebanhos e os animais, em dois grupos; porque pensou que se Esaú atacasse um dos grupos talvez o outro conseguisse escapar.

5

E orou desta maneira: Ó Deus do meu avô Abraão e Deus do meu pai Isaque, ó Senhor que me disseste tu mesmo para voltar à terra dos meus parentes e me garantiste que me farias bem, realmente eu não sou digno nem da mais pequena das bênçãos que me tens dado repetidamente, conforme aliás as tuas promessas. Porque quando deixei a minha casa e atravessei este rio Jordão, nada tinha de meu, excepto um simples cajado! E agora tenho aqui à minha responsabilidade estes dois grandes grupos.

6

Peço-te portanto, Senhor, que me protejas agora das mãos destruidoras do meu irmão Esaú, pois estou com muito medo de que nos venha matar, a mim e a estas mães mais os seus filhos. Tu prometeste-me fazer-me bem e multiplicar os meus descendentes de forma a tornarem-se tão numerosos como os grãos de areia das praias, que são incontáveis!

7

Jacob passou ali aquela noite e preparou um presente para o seu irmão Esaú, que consistia no seguinte: 200 cabras, 20 bodes, 200 ovelhas, 20 carneiros, 30 camelos de leite, com as suas crias, 40 vacas, 10 bois, 20 jumentas, 10 jumentinhos.

8

E deu instruções aos criados para passarem adiante, mantendo separado cada grupo de animais, com uma certa distância entre cada um.

9

Ao que conduzia o primeiro grupo mandou que, quando encontrasse Esaú e este lhe perguntasse: De quem são estes animais? Para onde vais tu? Para quem estás a trabalhar?, devia responder: Estes animais são de Jacob, que está às tuas ordens. São um presente que te envia a ti, Esaú, com todo o respeito e submissão. Ele próprio vem aí atrás de nós.

10

Estas mesmas instruções deu Jacob a cada um dos responsáveis pelos vários grupos de animais. A estratégia de Jacob era de apaziguar o irmão com presentes vários, antes de se encontrar com ele cara a cara. Talvez, esperava ele, fique assim nosso amigo. Dessa forma os presentes foram passando à sua frente. Contudo resolveu ficar ainda aquela noite no acampamento.

11

Durante a noite levantou-se, pegou nas suas duas mulheres com as respectivas criadas, e nos onze filhos, e fê-los atravessar o rio Jordão com todos os seus bens, num sítio por onde se podia passar a pé chamado Jaboque.

12

Depois ficou sozinho no acampamento. E um Homem lutou com ele até pelo amanhecer. Quando esse homem viu que não ganharia o combate, tocou na anca de Jacob, deslocando-lhe a juntura da coxa, e disse-lhe: Deixa-me ir embora, porque já está a amanhecer.Mas Jacob exigiu: Não te deixarei enquanto não me abençoares!

13

Qual é o teu nome?, perguntou-lhe o homem.Jacob.

14

Não serás mais Jacob, mas antes Israel . Porque, sendo que te mostraste forte enfrentando Deus, assim também serás capaz de prevalecer enfrentando os homens.

15

Agora diz-me tu qual é o teu nome!, perguntou Jacob por sua vez.Não. Não tens que saber qual é o meu nome. E abençoou-o ali mesmo.

16

Jacob chamou àquele lugar Peniel , porque disse: Vi Deus cara a cara, com os meus próprios olhos, e contudo não morri!

17

Entretanto o Sol já se levantava quando partiu enfim dali. E ia coxeando. (É por isso que o povo de Israel ainda hoje não come o nervo que faz a juntura com a coxa.)