1

Jacob, ao ouvir que havia alimento no Egipto, disse aos filhos: Para que é que estão aí todos a olharem-se uns para os outros? Eu ouvi que havia alimentos disponíveis no Egipto. Vão já e comprem o que puderem, para não morrermos de fome!

2

Assim desceram os dez irmãos mais velhos de José ao Egipto para comprar comida. Mas Jacob não quis que o mais novo, Benjamim, fosse com eles com medo que lhe viesse a acontecer algum acidente. E chegaram os filhos de Israel ao Egipto juntamente, aliás, com muita outra gente das terras vizinhas, na intenção de comprar trigo, porque a fome apertava duramente tanto em Canaã como nos outros sítios.

3

Ora, visto que José era o governador geral de todo o Egipto, responsável pela venda das provisões, foi a ele que os seus irmãos se chegaram, inclinando-se-lhe na frente, profundamente, com o rosto em terra. José reconheceu-os logo, mas não se manifestou.Donde é que vêm?, interpelou-os ele asperamente.De Canaã. Viemos em busca de trigo.

4

E José lembrou-se dos sonhos que tinha tido havia já tanto tempo. Mas continuou: Vocês são mas é espias! Vieram cá para ver como é que a terra ficou enfraquecida com a fome.

5

Não, não senhor!, exclamaram. Viemos unicamente à procura de alimentos. Somos todos irmãos e gente honesta. Não somos espias, de maneira nenhuma!

6

Isso é que são!, retorquiu-lhes, insistindo. Vieram para espiar a nossa fraqueza.

7

Senhor Governador, nós garantimos-lhe que somos apenas uma família de doze irmãos; o nosso pai está lá em Canaã; o nosso irmão mais novo ficou com ele, e um de nós já morreu.

8

Ah, sim? E afinal, o que é que isso me garante que não são espias? Bom. Vamos verificar se tudo isso que me dizem é verdade. Garanto-vos, pela vida do próprio Faraó, que não deixarão o Egipto enquanto o vosso irmão mais novo não vier aqui. Que um de vocês vá lá e o traga. Os outros ficarão aqui presos. Assim havemos de verificar a verdade de tudo isso. Se se chegar à conclusão de que não têm nenhum irmão mais novo é porque são realmente espias.

9

E pô-los sob a vigilância de um guarda, todos juntos, durante três dias. Ao terceiro dia disse-lhes: Eu sou uma pessoa que respeita Deus, por isso vou dar-vos uma oportunidade de se defenderem a si próprios desta acusação. Terão assim ocasião de mostrar se são gente honrada. Portanto ficará apenas um em detenção, e os outros poderão ir-se embora e levar o trigo às famílias; mas na condição de me trazerem aqui o vosso irmão mais novo. Dessa forma saberei se me dizem ou não a verdade. Se assim for, poupar-vos-ei.Eles concordaram. E falando uns com os outros diziam: Isto tudo aconteceu-nos por causa do que fizemos a José. Víamos bem o terror e angústia em que ele estava, como nos pedia aflitivamente que não lhe fizéssemos mal, e não nos importámos com isso!

10

Eu não vos dizia?, intervinha Rúben. Insisti para que não lhe fizessem nada, e não me ligaram. Agora vamos ter de dar contas pela sua vida!

11

Evidentemente que não pensavam sequer que José, que continuava ali perto deles, os entendia. Aliás para comunicarem com ele, utilizavam um intérprete. Mas José teve de retirar-se, porque precisava de chorar sem que o vissem. Depois voltou outra vez e ele próprio escolheu Simeão de entre os outros e aprisionou-o na frente dos irmãos.

12

Em seguida deu ordens aos criados para lhes encherem os sacos de trigo, mas que lhes pusessem também o dinheiro do pagamento dentro de cada saco, logo ao de cima; e além disso que lhes fossem fornecidas provisões para a viagem.

13

Carregaram então os animais e partiram para casa com os sacos de trigo. Quando pararam de noite, um deles abriu o saco para tirar uma porção de grão para dar aos jumentos, e viu o dinheiro logo à entrada do saco!

14

Olhem!, disse para os outros. Devolveram-me o dinheiro. Está aqui! Ficaram cheios de medo, e foi a tremer de susto que disseram uns para os outros: Mas que é isto que Deus nos tem estado a fazer?

15

Chegaram assim até à casa do seu pai, na terra de Canaã, e contaramlhe tudo.

16

O governador, ministro do rei, falou-nos muito asperamente e tomou-nos por espias. Nós bem lhe dissemos que não, que não o éramos de maneira nenhuma, que éramos gente de bem e nunca espiões. Que éramos doze irmãos, filhos do mesmo pai, que um deles tinha morrido, e que o mais novo tinha ficado em casa com o pai.

17

Então o homem disse-nos que havia uma maneira de saber se o que lhe contávamos era certo: que deixássemos lá um dos nossos irmãos enquanto trazíamos para casa o alimento, mas que devíamos levar-lhe lá depois o irmão mais novo. Que assim é que havia de ver se éramos espiões ou gente honesta; e se provássemos que falávamos verdade então que nos devolveria o irmão retido lá e que poderíamos ir lá quantas vezes quiséssemos comprar o que fosse preciso.

18

Ao esvaziarem cada um o seu saco, depararam então com o respectivo dinheiro de paga, dentro das bolsinhas, logo ao de cima. E ficaram todos, o pai e eles, transidos de susto!

19

Jacob exclamou: Vocês querem-me desfilhar! José já não existe. Simeão, já não o vejo. Querem-me levar agora Benjamim. É de mais! Tudo contra mim!

20

E Rúben respondeu ao pai: Fica com os meus dois filhos, e tira-lhes a vida se eu não te trouxer Benjamim de volta. Fico responsável por ele.

21

Mas Jacob replicou: Não. O meu filho não irá convosco, porque José já morreu, e dos filhos da sua mãe só ele ficou. Se lhe acontecesse alguma coisa a minha vida não resistiria.