1

Pouco tempo depois o rei da Babilónia (Merodaque-Baladã, filho de Baladã) mandou um presente a Ezequias, acompanhado dos seus melhores votos, porque tinha ouvido dizer que Ezequias estivera muito doente e que já estava restabelecido.

2

Ezequias apreciou isto muito e quis levar os delegados de Babilónia a visitar o seu palácio, mostrando-lhes inclusivamente a casa do tesouro, cheia de peças de prata e de ouro, assim como de especiarias raras e dos melhores perfumes. Levou-os ainda à casa das armas, e mostrou-lhes tudo; não lhes escondeu nada; abriu-lhes todas as portas.

3

Então o profeta Isaías veio até ao rei e disse-lhe: Donde vieram esses homens? Que foi que te disseram? Vieram de muito longe. Vieram de Babilónia, respondeu Ezequias.

4

Que foi que eles visitaram? Tudo. Viram tudo o que tenho, inclusivamente os meus tesouros valiosos.

5

Ouve-me, disse-lhe então Isaías, dá atenção à palavra do Senhor dos exércitos do céu:

6

Vai chegar o dia em que tudo o que tens, incluindo esses tesouros que teus antepassados acumularam, serão transportados para Babilónia. Nada será deixado. E haverá até alguns dos teus filhos que serão feitos escravos, sim eunucos, no palácio do rei de Babilónia.

7

Essa é uma boa notícia da parte do Senhor, respondeu Ezequias. E pensou: Pelo menos haverá paz durante a minha vida!