1

Como correntes de água é o coração do rei na mão de Jeová, Ele o inclina para onde quiser.

2

Todo o caminho do homem parece direito aos seus olhos, Mas Jeová pesa os corações.

3

Fazer justiça e juízo É mais aceitável a Jeová do que oferecer-lhe sacrifícios.

4

O olhar altivo, e o coração soberbo, Esta lâmpada dos perversos, é pecado.

5

Os planos do diligente conduzem à abundância, Mas todo o precipitado apressa-se para a penúria.

6

A aquisição de tesouros por meio de uma língua mentirosa É uma vaidade fugitiva; os que os buscam, buscam a morte.

7

A violência dos perversos os arrebatará, Porque recusam fazer o que é justo.

8

Tortuoso é o caminho daquele que é carregado de vícios; Mas quanto ao puro, a sua conduta é reta.

9

Melhor é morar no canto do eirado, Do que com a mulher de contendas numa casa espaçosa.

10

A alma do perverso deseja o mal, O seu vizinho não acha graça aos seus olhos.

11

Quando o escarnecedor for punido, o simples torna-se sábio; E quando o sábio for instruído, cresce na ciência.

12

O justo considera a casa do perverso, Precipita os perversos na ruína.

13

Aquele que tapa os seus ouvidos ao clamor do pobre, Também clamará, e não será ouvido.

14

A dádiva que se dá em segredo desvia a ira, E o presente posto no seio, a grande indignação.

15

O fazer justiça é para o justo alegria, Mas é destruição para os que obram iniqüidade.

16

O homem que se afasta do caminho do entendimento, Repousará na congregação dos mortos.

17

Quem ama os prazeres, empobrecerá; Quem ama o vinho e o azeite, não enriquecerá.

18

O perverso serve de resgate para o justo, E o prevaricador é entregue em lugar do reto.

19

Melhor é habitar numa terra erma Do que com a mulher rixosa e iracunda.

20

Há tesouros preciosos e azeite na casa do sábio, Mas o homem insensato os devora.

21

Aquele que segue a justiça e a benignidade, Acha a vida, a justiça e a honra.

22

O sábio escala a cidade dos valentes, E derruba a fortaleza em que ela confia.

23

Quem guarda a sua boca e a sua língua, Guarda das angústias a sua alma.

24

Escarnecedor é o nome do homem soberbo e arrogante, Daquele que procede com insolente orgulho.

25

O desejo do preguiçoso o mata, Porque as suas mãos recusam trabalhar.

26

Todo o dia ele passa a cobiçar, Mas o justo dá e não retém.

27

O sacrifício que os perversos oferecem, é abominação; Quanto mais oferecendo-o com intenção maligna!

28

A testemunha falsa perecerá; Mas o homem que ouve, falará sem ser contestado.

29

O homem perverso endurece o seu rosto; Mas quanto ao reto, ele considera os seus caminhos.

30

Não há sabedoria, nem entendimento, Nem conselho contra Jeová.

31

O cavalo prepara-se para o dia da batalha, Mas a Jeová pertence a vitória.