1

Ó Deus do meu louvor, não te cales;

2

Porque eles abrem contra mim boca iníqua e cheia de dolo, Contra mim falam com língua mentirosa.

3

Cercam-me também com palavras de ódio, E sem causa fazem-me guerra.

4

Em troca do meu amor tornam-se os meus adversários. Mas eu me dedico à oração.

5

Retribuíram-me o mal pelo bem, E o ódio pelo amor que lhes tenho.

6

Coloca sobre ele um homem perverso, E esteja à sua direita um adversário.

7

Quando ele for julgado, saia condenado; E em pecado se lhe torne a sua súplica.

8

Sejam poucos os seus dias; E tome outro o seu ofício.

9

Fiquem órfãos os seus filhos, E viúva, sua mulher.

10

Andem errantes seus filhos, e mendiguem; E esmolem longe das suas habitações arruinadas.

11

Que um credor arme laço a tudo quanto tem; Esbulhem-no estranhos do fruto do seu trabalho.

12

Não haja quem lhe estenda benignidade, Nem haja quem se compadeça de seus órfãos.

13

Seja extirpada a sua posteridade, Na próxima geração apague-se o seu nome.

14

Seja recordada por Jeová a iniqüidade de seus pais, E não seja apagado o pecado de sua mãe.

15

Estejam eles sempre diante de Jeová, Para que ele faça desaparecer da terra a memória deles;

16

Porquanto não se lembrou de usar de benignidade, Mas perseguiu ao aflito e ao necessitado E ao de ânimo abatido, para lhes tirar a vida.

17

Ele amou a maldição, e ela veio ter com ele; Não teve prazer na bênção, e ela se apartou dele.

18

Vestiu-se também de maldição como dum vestido, Dentro dele penetrou ela como água, E nos seus ossos como azeite.

19

Seja-lhe como vestido com que ele se cobre, E como o cinto com que sempre anda cingido.

20

Da parte de Jeová é esta a recompensa dos meus adversários, E daqueles que falam mal contra a minha alma.

21

Mas tu, Jeová Senhor, toma a minha parte por amor do teu nome: Pois que é boa a tua benignidade, livra-me.

22

Porque eu sou aflito e necessitado, E dentro de mim está ferido o meu coração.

23

Vou-me como a sombra que declina; Sou arrebatado como um gafanhoto.

24

Bambaleiam os meus joelhos por efeito do jejum, E a minha carne está privada de gordura.

25

Quanto a mim, tornei-me para eles objeto de opróbrio; Ao verem-me eles, meneiam a cabeça.

26

Ajuda-me, Jeová, Deus meu, Salva-me segundo a tua benignidade,

27

Para que saibam que nisto está a tua mão, Que tu, Jeová, fizeste isto.

28

Amaldiçoem eles, mas abençoa tu; Envergonhados sejam os que se levantam, Mas regozije-se o teu servo.

29

Vistam-se de ignomínia os meus adversários, E da sua própria vergonha cubram-se como dum manto.

30

Muitas graças darei a Jeová com a minha boca, E no meio da multidão o louvarei,

31

Porque ele se coloca à mão direita do necessitado, Para o salvar dos que julgam a sua alma.