1

Das profundezas clamo a ti, Jeová.

2

Ouve, Senhor, a minha voz; Estejam atentos os teus ouvidos À voz das minhas súplicas.

3

Se observares, Jeová, iniqüidades, Quem, Senhor, poderá subsistir?

4

Mas contigo está o perdão, A fim de que sejas reverenciado.

5

Aguardo a Jeová, a minha alma o aguarda, E na tua palavra espero.

6

Pelo Senhor mais espera a minha alma Que os guardas esperam pela alvorada, Mais que os guardas pela alvorada.

7

Espera, ó Israel, em Jeová; Pois com Jeová está a benignidade, E com ele está copiosa redenção.

8

E ele remirá a Israel de todas as suas iniqüidades.