1

Lembra-te, Jeová, a bem de Davi De tudo quanto ele sofreu,

2

Como jurou a Jeová, E fez voto ao poderoso de Jacó:

3

Não entrarei na tenda da minha casa, Nem subirei ao leito da minha cama;

4

Não darei sono aos meus olhos, Nem adormecimento às minhas pálpebras,

5

Até que eu ache um lugar para Jeová, Um tabernáculo para o Poderoso de Jacó.

6

Eis que ouvimos falar da arca em Efrata; Encontramo-la no campo de Jaar.

7

Entremos no lugar em que ele habita, Adoremos ante o escabelo dos seus pés.

8

Levanta-te, Jeová, entra no lugar do teu repouso, Tu, e a arca da tua fortaleza.

9

Vistam-se os teus sacerdotes de justiça, E exultem de júbilo os teus santos.

10

Por amor do teu servo Davi Não repilas o rosto do teu ungido.

11

A Davi jurou Jeová a verdade, Da qual não se apartará: Do fruto do teu corpo porei sobre o teu trono.

12

Se teus filhos guardarem a minha aliança E o testemunho que eu lhes ensinar, Também seus filhos se assentarão sobre o teu trono para sempre.

13

Pois Jeová escolheu a Sião, Para morada sua a desejou.

14

Este é o lugar do meu repouso para sempre: Aqui habitarei, porque o tenho desejado.

15

Certamente abençoarei o seu mantimento; Fartarei de pão os seus pobres.

16

Vestirei também os seus sacerdotes de salvação; E de júbilo exultarão os seus santos.

17

Ali farei brotar a força de Davi, Preparei uma lâmpada para o meu ungido.

18

De vergonha vestirei os seus inimigos, Mas sobre ele florescerá a sua coroa.