1

Livra-me, Jeová, do homem perverso, Preserva-me do homem violento,

2

Os quais imaginam maldades no seu coração; Estão sempre forjando guerras.

3

Aguçam, qual serpente, a sua língua; Veneno de áspides está debaixo da sua língua. (Selá)

4

Guarda-me, Jeová, das mãos dos perversos, Preserva-me do homem violento, Os quais procuram transtornar os meus passos.

5

Os soberbos esconderam-me laços e cordas, Estenderam uma rede à beira do caminho, Puseram-me armadilhas. (Selá)

6

Digo a Jeová: Tu és o meu Deus; Dá ouvidos, Jeová, à voz das minhas súplicas.

7

Ó Senhor Jeová, força da minha salvação, Tu cobriste a minha cabeça no dia da batalha.

8

Não concedas, Jeová, os desejos do perverso; Não vá por diante o seu mau propósito, para que se não exaltem. (Selá)

9

Quanto a cabeça dos que me cercam, Seja coberta com o mal que fazem os seus lábios.

10

Sobre eles caiam brasas vivas, Ao fogo sejam eles atirados, A abismos, para que não se levantem mais.

11

Não se estabelecerá na terra o caluniador; O mal perseguirá o homem violento com golpe sobre golpe.

12

Sei que Jeová manterá a causa do aflito, E o direito do necessitado.

13

De certo os justos darão graças ao teu nome, Os retos habitarão na tua presença.