1

Ouve, Jeová, a minha oração, dá ouvidos as minhas súplicas; Na tua fidelidade responde-me, e na tua retidão.

2

Não entres em juízo com o teu servo, Pois à tua vista não se achará justo nenhum vivente.

3

Porquanto o inimigo tem perseguido a minha alma, Tem arrojado por terra a minha vida; Tem me feito habitar em lugares tenebrosos, como aqueles que morreram há muito.

4

Portanto dentro de mim esmorece o meu espírito, E em mim está desolado o meu coração.

5

Lembro-me dos dias antigos, Medito em todos os teus feitos, Considero as obras das tuas mãos.

6

A ti estendo as minhas mãos; A minha alma, qual terra sedenta, tem sede de ti. (Selá)

7

Dá-te pressa em me responder, Jeová; desfalece o meu espírito: Não me escondas o teu rosto, Para que não me torne como os que baixam à cova.

8

Faze-me ouvir pela manhã a tua benignidade, Pois em ti confio. Dá-me a conhecer o caminho em que devo andar, Porque a ti elevo a minha alma.

9

Livra-me, Jeová, dos meus inimigos; Em ti é que me acolho.

10

Ensina-me a fazer a tua vontade, porque tu és o meu Deus, Guie-me por terreno plano o teu benigno espírito.

11

Vivifica-me, Jeová, por amor do teu nome; Na tua retidão tira da tribulação a minha alma.

12

Na tua benignidade extermina os meus inimigos, E destrói a todos os que atribulam a minha alma, Pois eu sou o teu servo. Descrição dum povo feliz