1

Por que te glorias, homem poderoso, na malícia? A benignidade de Deus subsiste em todo o tempo.

2

A tua língua urde planos de destruição, Como navalha afiada, ó tu que usas de dolo.

3

Amas antes o mal do que o bem, E o mentir do que o falar a justiça. (Selá)

4

Amas todas as palavras devoradoras, Ó língua fraudulenta.

5

Também Deus te destruirá para sempre; Arrebatar-te-á e arrancar-te-á da tua tenda, E te exterminará da terra dos viventes. (Selá)

6

Os justos verão isso e temerão, E se rirão dele, dizendo:

7

Eis o homem que não fazia Deus a sua fortaleza, Mas confiava na abundância das suas riquezas, E se fortalecia na sua perversidade.

8

Mas quanto a mim, eu sou qual verde oliveira na casa de Deus; Confio na benignidade de Deus para todo o sempre.

9

Dar-te-ei graças para sempre, porque o fizeste: Na presença dos teus santos esperarei no teu nome, porque é bom.