1

Bom é render graças a Jeová, E cantar louvores ao teu nome, ó Altíssimo:

2

Manifestar de manhã a tua benignidade, E todas as noites a tua fidelidade,

3

Com um instrumento de dez cordas, com o saltério E com a música solene da harpa.

4

Pois me alegraste, Jeová, pelos teus feitos, Exultarei nas obras das tuas mãos.

5

Quão grandes são as tuas obras, Jeová! Profundíssimos são os teus pensamentos.

6

O homem estúpido não sabe, Nem o néscio compreende isto:

7

Quando brotarem, como erva, os perversos, E florescerem os que obram a iniqüidade, É que serão destruídos para sempre.

8

Tu, porém, Jeová, estás nas alturas para todo o sempre.

9

Pois eis que os teus inimigos, Jeová, Pois eis que os teus inimigos perecerão; Serão dispersos todos os que obram iniqüidade.

10

Mas exaltaste o meu poder como o dum boi selvagem; Estou ungido com óleo fresco.

11

Os meus olhos também já viram o que é feito dos que me espreitam, Os meus ouvidos já ouviram o que sucederá aos malfeitores que se levantam contra mim.

12

O justo florescerá como a palmeira, Crescerá como o cedro no Líbano.

13

Os que são plantados na casa de Jeová, Florescerão nos átrios do nosso Deus.

14

Na velhice ainda darão frutos, Serão cheios de seiva e de verdura,

15

Para mostrarem que Jeová é reto. Ele é a minha rocha, e nele não há injustiça.