1

Ó Jeová, Deus de vinganças, Ó Deus de vinganças, resplandece.

2

Levanta-te, ó juiz da terra; Dá o pago aos soberbos.

3

Até quando, Jeová, os perversos, Até quando exultarão os perversos?

4

Até quando derramarão palavras, falarão arrogantemente E se vangloriarão todos os que obram iniqüidade?

5

Eles esmigalham o teu povo, Jeová, E afligem a tua herança.

6

Matam a viúva e o estrangeiro, E assassinam o órfão.

7

Dizem eles: Jeová não o vê, Nem o considera o Deus de Jacó.

8

Atendei, ó estúpidos dentre o povo, E vós, insensatos, quando haveis de ser sábios?

9

Porventura quem plantou o ouvido não ouvirá? Acaso quem formou os olhos, não verá?

10

Porventura quem instrui as nações, não corrigirá, A saber, aquele que ensina ao homem o conhecimento?

11

Jeová conhece os pensamentos do homem, Que são vaidade.

12

Feliz é o homem a quem instruis, ó Jeová, E a quem ensinas pela tua lei,

13

Para lhe dares descanso dos dias da adversidade, Até que uma cova se abra para o perverso.

14

Pois Jeová não rejeitará ao seu povo, Nem desamparará a sua herança.

15

Porquanto o juízo se converterá em justiça, E segui-lo-ão todos os que são retos de coração.

16

Quem se levantará a meu favor contra os perversos? Quem se porá ao meu lado contra os que obram iniqüidade?

17

Se Jeová não tivesse sido o meu auxílio, A minha alma breve teria entrado na morada do silêncio.

18

Quando eu disse: O meu pé resvalou; A tua benignidade, Jeová, me susteve.

19

Nas muitas solicitudes que dentro de mim há, As tuas consolações recreiam a minha alma.

20

Pode acaso estar associado contigo o trono da perversidade, O qual forja maldade por virtude de um estatuto?

21

Ajuntam-se contra a alma do justo, E condenam o sangue inocente.

22

Jeová, porém, é para mim uma alta torre, E o meu Deus é a rocha do meu refúgio.

23

Ele faz cair sobre eles a sua iniqüidade, E pela própria maldade deles os exterminará: Jeová, nosso Deus, os exterminará.