1

Tu, porém, fala o que convém à sã doutrina.

2

Exorta os velhos a que sejam sóbrios, circunspectos, prudentes, sãos na fé, no amor e na perseverança;

3

da mesma maneira as velhas a que sejam de compostura reverente, não maldizentes, não dadas ao excesso no uso do vinho, a que ensinem o bem,

4

para que instruam as mulheres moças a amarem seus maridos e seus filhos,

5

a serem prudentes, castas, cuidadosas da casa, bondosas, sujeitas a seus maridos, a fim de que a palavra de Deus não seja blasfemada.

6

Exorta também os moços a que sejam prudentes em tudo,

7

e faze-te a ti mesmo um exemplo de boas obras, na tua doutrina mostrando integridade, seriedade

8

e linguagem sã e irrepreensível, para que o adversário se confunda, não tendo mal algum que dizer de nós.

9

Exorta os servos a que sejam sujeitos a seus senhores, que lhes sejam agradáveis em tudo;

10

e que não os contradigam, que não os defraudem, mas que lhes manifestem em tudo perfeita fidelidade, a fim de que em tudo honrem a doutrina de Deus nosso Salvador.

11

Pois a graça de Deus se manifestou, trazendo a salvação a todos os homens,

12

ensinando-nos, a fim de que, renunciando a impiedade e as paixões mundanas, vivamos no presente mundo sóbria, reta e piamente,

13

aguardando a bem-aventurada esperança e a manifestação da glória do grande Deus e nosso Salvador Cristo Jesus,

14

que se deu a si mesmo por nós, a fim de nos remir de toda a iniqüidade e purificar para si um povo todo seu, zeloso de boas obras.

15

Fala estas coisas, exorta e repreende com toda a autoridade; ninguém te despreze.