1

Adverte-lhes que estejam sujeitos aos governadores e às autoridades, que sejam obedientes, que estejam prontos para toda a boa obra,

2

que não digam mal de ninguém, nem sejam questionadores, mas que sejam sossegados, mostrando toda a mansidão para com todos.

3

Pois nós também éramos outrora insensatos, desobedientes, desviados, escravos de várias cobiças e deleites, vivendo em malícia e inveja, odiosos e aborrecendo-nos uns aos outros.

4

Mas quando apareceu a bondade de Deus nosso Salvador e o seu amor para com os homens,

5

não por obras de justiça que nós fizemos, mas segundo a sua misericórdia nos salvou, pelo lavatório da regeneração e renovação do Espírito Santo,

6

que ele derramou sobre nós abundantemente por Jesus Cristo nosso Salvador,

7

a fim de que, justificados pela sua graça, fôssemos feitos herdeiros segundo a esperança da vida eterna.

8

Fiel é esta palavra, e quero que isto afirmes confiadamente, a fim de que os que tiverem crido a Deus, sejam cuidadosos em praticarem as boas obras. Isto é bom e útil aos homens.

9

Mas evita questões tolas, genealogias, contendas e disputas relativas à Lei, pois elas são inúteis e vãs.

10

Evita o homem faccioso, depois de o teres advertido primeira e segunda vez,

11

sabendo que o que é tal é pervertido e peca, sendo condenado por si mesmo.

12

Quando eu enviar Ártemas ou Tíquico a ti, procura vir ter comigo a Nicópolis, porque tenho resolvido passar ali o inverno.

13

Ajuda a Zenas, doutor da lei, e a Apolo na sua viagem, para que nada lhes falte.

14

Que os nossos aprendam a ser os primeiros a praticar boas obras para as coisas que são necessárias, a fim de que não sejam infrutuosos.

15

Todos os que estão comigo te saúdam. Saúda àqueles que nos amam na fé. A graça seja com todos vós.