1

Um filho sábio ama a disciplina, mas o incorrigível não aceita repreensões.

2

O homem de bem goza do fruto de sua boca, mas o desejo dos pérfidos é a violência.

3

Quem vigia sua boca guarda sua vida; quem muito abre seus lábios se perde.

4

O preguiçoso cobiça, mas nada obtém. É o desejo dos homens diligentes que é satisfeito.

5

O justo detesta a mentira; o ímpio só faz coisas vergonhosas e ignominiosas.

6

A justiça protege o que caminha na integridade, mas a maldade arruína o pecador.

7

Há quem parece rico, não tendo nada, há quem se faz de pobre e possui copiosas riquezas.

8

A riqueza de um homem é o resgate de sua vida, mas o pobre está livre de ameaças.

9

A luz do justo ilumina, enquanto a lâmpada dos maus se extingue.

10

O orgulho só causa disputas; a sabedoria se acha com os que procuram aconselhar-se.

11

Os bens que muito depressa se ajuntam se desvanecem; os acumulados pouco a pouco aumentam.

12

Esperança retardada faz adoecer o coração; o desejo realizado, porém, é uma árvore de vida.

13

Quem menospreza a palavra perder-se-á; quem respeita o preceito será recompensado.

14

O ensinamento do sábio é uma fonte de vida para libertar-se dos laços da morte.

15

Bom entendimento procura favor; o caminho dos pérfidos, porém, é escabroso.

16

Todo homem prudente age com discernimento, mas o insensato põe em evidência sua loucura.

17

Um mau mensageiro provoca a desgraça; o enviado fiel, porém, traz a saúde.

18

Miséria e vergonha a quem recusa a disciplina; honra ao que aceita a reprimenda.

19

O desejo cumprido deleita a alma. Os insensatos detestam os que fogem do mal.

20

Quem visita os sábios torna-se sábio; quem se faz amigo dos insensatos perde-se.

21

A desgraça persegue os pecadores; a felicidade é a recompensa dos justos.

22

O homem de bem deixa sua herança para os filhos de seus filhos; ao justo foi reservada a fortuna do pecador.

23

É abundante em alimento um campo preparado pelo pobre, mas há quem pereça por falta de justiça.

24

Quem poupa a vara odeia seu filho; quem o ama, castiga-o na hora precisa.

25

O justo come até se saciar, mas o ventre dos pérfidos conhece a penúria.