1

De Davi. Bendito seja o Senhor, meu rochedo, que adestra minhas mãos para o combate, meus dedos para a guerra;

2

meu benfeitor e meu refúgio, minha cidadela e meu libertador, meu escudo e meu asilo, que submete a mim os povos.

3

Que é o homem, Senhor, para cuidardes dele, que é o filho do homem para que vos ocupeis dele?

4

O homem é semelhante ao sopro da brisa, seus dias são como a sombra que passa.

5

Inclinai, Senhor, os vossos céus e descei, tocai as montanhas para que se abrasem,

6

fulminai o raio e dispersai-os, lançai vossas setas e afugentai-os.

7

Estendei do alto a vossa mão, tirai-me do caudal, das mãos do estrangeiro,

8

cuja boca só diz mentiras e cuja mão só faz juramentos falsos.

9

Ó Deus, cantar-vos-ei um cântico novo, louvar-vos-ei com a harpa de dez cordas.

10

Vós que aos reis dais a vitória, que livrastes Davi, vosso servo;

11

salvai-me da espada da malícia, e livrai-me das mãos de estrangeiros, cuja boca só diz mentiras e cuja mão só faz juramentos falsos.

12

Sejam nossos filhos como as plantas novas, que crescem na sua juventude; sejam nossas filhas como as colunas angulares esculpidas, como os pilares do templo.

13

Encham-se os nossos celeiros de frutos variados e abundantes, multipliquem-se aos milhares nossos rebanhos, por miríades cresçam eles em nossos campos; sejam fecundas as nossas novilhas.

14

Não haja brechas em nossos muros, nem ruptura, nem lamentações em nossas praças.

15

Feliz o povo agraciado com tais bens, feliz o povo cujo Deus é o Senhor.